Monday, October 31, 2011

Propósitos & Resultados!

Era uma vez, dois mendigos. Um melhorou de vida, o outro não. Os dois eram irmãos, tiveram a mesma criação, eram pobres e viviam no mesmo bairro. A diferença é que um sabia o que queria e o outro não.

Você precisa sair do seu metro quadrado, da sua barraca, parar de olhar para o chão e começar a olhar para o futuro que tem pela frente.

Nossos resultados dependerão de nossas ações, de uma ideia colocada em movimento. Nunca meça um obstáculo. O desânimo vem porque você olha o obstáculo e as circunstâncias em vez de olhar para o prêmio.

Você está na Terra com um propósito, nasceu com um objetivo. Há algo que você deve fazer ao longo de toda sua vida. Há uma meta, um anseio, um sonho esperando por você para ser realizado.

Quando você tem um motivo você levanta mais cedo para fazer melhor aquilo que tem que ser bem feito.

Se passar a vida com o propósito errado, vai se frustrar. Não há nada pior que viver uma vida sem sentido e sem propósito.

O pior mal nem é o que está solto por ai, mas sim aquele que está aprisionado em sua mente. Não seja prisioneiro de maus pensamentos.

As pessoas que mudam são as pessoas que decidem mudar.

Quando souber qual é a sua montanha, isto é, sua meta, seus objetivos, saberá claramente qual é a finalidade da sua vida. E quando isso acontecer, fará sentido acordar bem cedo e lutar pelo seu sonho.

Ainda que os planos mudem, o propósito nunca se perde. Propósito é esse sonho que, para ser conquistado, precisa de uma estratégia bem elaborada.

O plano a, b ou c pode falhar, mas, se isso acontecer, sempre terá um novo plano até conseguir. Isso é propósito. Isso é sucesso. Isso são resultados.

Gilclér Regina

Friday, October 28, 2011

O Perigo de um Pensamento Limitado!

Uma história conta que, num povoado das Ilhas Britânicas, desafiaram o grande mágico Houdini, considerado o pai do ilusionismo, a fugir, em menos de sessenta minutos, de uma prisão à prova de fugas que o município acabara de construir.

Houdini aceitou o desafio!

Permitiram-lhe entrar no cárcere com roupa de rua. Os observadores disseram ter visto o serralheiro dar uma volta estranha na fechadura, porém deixaram que o grande mágico tentasse abrir a porta da prisão por dentro.

Houdini tinha escondido no cinto da calça uma barra de aço flexível que utilizava para abrir fechaduras. Com a orelha colada à fechadura, tentou abri-la durante 30 minutos, 45 minutos... Uma hora. Estava suando.

Já estava esgotado quando passadas duas horas, apoiou-se contra a porta e ela se abriu. Não tinham trancado a porta! Esse foi o truque que fizeram com o grande mágico!

A porta só estava fechada na mente de Houdini, apenas na mente!

O pensamento limitado e estruturado impedirá que você veja os fatos de outro ponto de vista. Viver preso a velhas crenças o levará a cometer grandes erros e perder muito tempo.

Quebre todo o esquema mental! Você pode ser mais flexível em seus pensamentos. A submissão e a dependência fazem com que você se concentre no problema, ao passo que a liberdade e o controle das emoções o levam às soluções e aos resultados extraordinários.
Uma crença não é necessariamente verdadeira pelo simples fato de que muitos concordam com ela. Centenas de crenças falsas foram aceitas durante muito tempo sem serem questionadas, simplesmente por serem o pensamento da maioria.

Gilclér Regina   

"Sucesso não é loteria. Sucesso é fruto de ação, visão, conhecimento e atitude"
Gilclér Regina

"Para alcançar o sucesso é necessário ter uma meta e não permitir que outros, os que não têm resultados, influenciem nas suas decisões. Quando surge um autêntico gênio no mundo você pode reconhecê-lo porque todos os ignorantes se voltam contra ele.”
Gandhi

“Não há melhor escudo para o imbecil do que o erro do homem honrado.”
Alonso de Varros - Poeta espanhol - século XVI

“Não deixe o ruído das opiniões de outras pessoas calar sua própria voz interior. Tenha coragem de seguir seu coração e intuição."
Steve Jobs

É possível economizar comprando?

Poucos empresários dão a devida importância à área de compras, que costuma ser percebida apenas como um "centro de custos", gerador de despesas, que agrega pouco valor ao negócio principal

Por Alexandre Siqueira*

A boa administração de uma empresa é uma das chaves do seu sucesso, assim como produtos inovadores e/ou de qualidade comprovada pelo consumidor. Mas é inegável que a boa administração permite que os líderes daquela companhia possam planejar passos futuros e organizar e implementar suas estratégias de negócios. Dentro dessas premissas, muitos departamentos tem importância vital, como a produção, a área de vendas, o de pesquisa e desenvolvimento etc.. Porém, poucos empresários dão a devida importância à área de compras, que costuma ser percebida apenas como um "centro de custos", gerador de despesas, que agrega pouco valor ao negócio principal. Basicamente, é um departamento necessário, mas de pouca importância estratégica. Até poucos anos atrás essa imagem não seria de todo irreal mas a área de compras vem passando por uma "repaginação" e cada vez mais empresários percebem a mina de ouro que tem nas mãos, pois cada centavo economizado pelo departamento é lucro certo na ponta final da produção.

E como se economiza em compras? Por certo, a pesquisa por menores preços é um item fundamental, que precisa ser sempre equilibrado com o padrão de qualidade determinado pela empresa, ou então acontece apenas a aplicação prática do ditado "o barato sai caro". A redução de custos na área de Compras dá-se pela padronização de processos, cumprimento de prazos, estabelecimento de estratégias para compras do mesmo material para diversos departamentos, entre várias outras medidas necessárias para aumentar a eficiência do setor.

Um benefício menos óbvio do controle dos processos e cadastros de compras é o dos benefícios fiscais. A conformidade dos itens comprados por uma empresa com a normatização da Receita Federal e dos indexes estaduais, por exemplo, permite que a empresa reduza enormemente surpresas desagradáveis com o Fisco. Todos nós sabemos que a Receita Federal autua a irregularidade. No caso de uma empresa pagar impostos a mais (ou seja, ter o direito de pedir de volta o excedente) o processo é caro, trabalhoso e demorado, e o mesmo vale caso ela pague menos imposto do que o estipulado. Por isso, vale mais a pena investir em sistemas atualizados com as regras da Receita Federal. Para se ter uma idéia, hoje existem cerca de 5.600 tipos de regulamentação fiscal nas diversas esferas (municipal, estadual e federal), entre leis, decisões, instruções normativas e outras, editadas e colocadas em vigor a uma grande velocidade.

Outro benefício que um departamento de Compras organizado obtém é o de manter constante o ritmo de produção de uma empresa. Planos de contingência, cadastros de materiais e fornecedores atualizados e livres de itens repetidos, itens em conformidade com a classificação fiscal (NCM e IPI) são algumas das ferramentas que a área pode utilizar para evitar um "apagão" de insumos, comprometendo a linha de produção e, consequentemente, suas metas de vendas e estratégias de atuação no mercado. Pesquisas realizadas com esses setores informam que a economia gerada por uma área de Compras bem organizada pode chegar a 6% ou 7%. Em grandes empresas, como construtoras e empreiteiras, o setor de Compras pode ser responsável por mais de 40% do faturamento. Então, é ou não é uma área estratégica?

* Alexandre Siqueira é diretor comercial da Astrein

Link do artigo:
http://www.administradores.com.br/informe-se/economia-e-financas/e-possivel-economizar-comprando/48468/ 

Monday, October 24, 2011

Habilidades e Competências Gerenciais

As modernas corporações vivenciam tempos em que não podem mais se dar ao luxo de estacionarem economicamente e, nesse cenário, o Gerente se tornou a mola-mestre na busca pelos resultados desejados. Porém, muitos desses profissionais talvez nem imaginem que sejam praticamente obrigados a possuírem determinadas habilidades e competências, as quais os ajudarão a se tornarem eficazes.

A) As Principais Habilidades Gerenciais são:
- Planejamento e Organização: O Gerente deverá possuir a capacidade de planejar e organizar suas próprias atividades e as do seu grupo, estabelecendo metas mensuráveis e cumprindo-as com eficácia.

- Julgamento: O Gerente deverá ter a capacidade de chegar a conclusões lógicas com base nas evidências disponíveis.

- Comunicação Oral: Um Gerente deve saber se expressar verbalmente com bons resultados em situações individuais e grupais, apresentando suas idéias e fatos de forma clara e convincente.

- Comunicação Escrita: É a capacidade gerencial de saber expressar suas idéias clara e objetivamente por escrito.

- Persuasão: O Gerente deve possuir a capacidade de organizar e apresentar suas idéias de modo a induzir seus ouvintes a aceitá-las.

- Percepção Auditiva: O Gerente deve ser capaz de captar informações relevantes, a partir das comunicações orais de seus colaboradores e superiores.

- Motivação: Importância do trabalho na satisfação pessoal e desejo de realização no trabalho.

- Impacto: É a capacidade de o Gerente criar boa impressão, captar atenção e respeito, adquirir confiança e conseguir reconhecimento pessoal.

- Energia: É a capacidade gerencial de atingir um alto nível de atividade (Garra).

- Liderança: É a capacidade do Gerente em levar o grupo a aceitar idéias e a trabalhar atingindo um objetivo específico.


B) As Principais Competências Gerenciais Estão Sub-Dividas em Quatro Áreas:
Planejamento: Nessa Área o Gerente Deverá Ser Capaz de Responder Positivamente às Seguintes Formulações:

- Você considera a experiência da sua equipe na formulação dos seus planos?
- Você conhece os objetivos da sua empresa e, conseqüentemente, as metas da sua equipe?
- Você programa suas atividades diárias?
- Você obtém sucesso no atingimento dos seus objetivos?
- Você interpreta e explica as políticas e os procedimentos da empresa aos seus colaboradores?
Organização: Nessa Área o Gerente Deverá Ser Capaz de Responder Positivamente às Seguintes Formulações:

- Seus subordinados têm conhecimento de suas atribuições?
- Seus subordinados se mostram colaborativos no desenvolvimento de suas atividades?
- Você segue a organização formal da empresa?
- Você organiza os trabalhos da sua área conforme os objetivos da empresa?
- Você se concentra em trabalhos gerenciais como planejar, organizar, liderar e controlar?
Liderança: Nessa Área o Gerente Deverá Ser Capaz de Responder Positivamente às Seguintes Formulações:

- Você procura ouvir a opinião das outras pessoas (colegas e/ou subordinados) antes de decidir?
- Você conhece os interesses, as necessidades e as aspirações de seus colaboradores?
- Você se preocupa sistematicamente com o treinamento do seu pessoal?
- Você põe suas decisões em prática?
- Você tem a certeza de entender os pontos de vista dos seus colaboradores?
Controle: Nessa Área o Gerente Deverá Ser Capaz de Responder Positivamente às Seguintes Formulações:

- Você fixa padrões de desempenho para seus subordinados?
- Você comunica esses padrões a eles?
- Seus colaboradores compreendem e aceitam esses padrões?
- Você informa aos seus colaboradores sobre os resultados obtidos por eles, a tempo de poderem corrigir seu próprio trabalho?
- Você se reúne com sua equipe para rever os planos e os resultados conseguidos?
Além disso, o Gerente também deverá ser capaz de transmitir e receber mensagens adequadamente, ensinar e instruir seus colaboradores, administrar a disciplina, julgando e conciliando os interesses das pessoas envolvidas.

Thursday, October 20, 2011

Juntos somos mais

“Os MUNDO DOS UM eram três planetas onde habitavam apenas um ser. Um era vermelho, o outro amarelo e o último azul. Viviam sozinhos e não tinham interessem em visitar os outros mundos porque não gostavam das cores alheias. Ignoravam-se. Infelizmente, nunca descobriram que se misturassem o vermelho e o amarelo, teriam o laranja. E se colocassem o azul com o vermelho, teriam o roxo. E ainda conquistariam o verde se juntassem o amarelo com o azul. Deixaram de descobrir que, juntos, seriam mais e mais e mais e mais.”

É comum destacarem-se o descaso e a falta de zelo quando falamos em relações humanas.  Infelizmente, o ego tem sido grande companheiro das pessoas, impedindo-as de cuidar de qualquer outra coisa a não ser delas mesmas.

Em um de meus trabalhos consultivos, assisti um líder que reclamava de sua equipe por ser desrespeitosa, desregrada e desengajada no negócio da empresa. Era um líder autocrata e pouco admitia interferência em suas decisões. Por esta prática, julgava ter verdades absolutas e, por elas, desrespeitava valores importantes de seus liderados. Resultado? Ele tinha a equipe que cultivava.

Minha gente, ninguém dá o que não tem!

Se um líder oferta para sua equipe atitudes inadequadas, egocêntricas e, por vezes, desrespeitosa, o que esperar de sua equipe?

Se uma esposa dá desamor, impaciência, intolerância, falta de empatia para seu marido, o que esperar dele? Ele dará o que tem. E ele tem o que recebe.

É inevitável relacionar-se. E se isto é fato, melhor que cuidemos das relações humanas para que possamos colaborar para uma vida mais harmoniosa e prazerosa. Onde o outro, mesmo que diferente de você, não seja um estorvo, mas sim uma fonte de aprendizado, um trampolim para seu crescimento pessoal e profissional.

E cuidar não é aceitar. Cuidar é respeitar.

Faço esta diferenciação porque, com certeza, irão se deparar, ora ou outra, com pessoas que tenham atitudes desconexas com seus valores e que ajam de forma negativa e imprudente.  Não devemos aceitar mas devemos respeitar. Porque dificilmente cuidaremos daquilo que não aceitamos, mas teremos mais facilidade em zelar pelo que respeitamos. Descartar, na maioria das vezes, é a solução mais recorrente. Mas não é a solução mais inteligente.

Nas empresas, líderes menos preparados, quando se deparam com liderados rebeldes, a primeira atitude é pedir sua demissão. No entanto, a premissa da liderança é extrair do outro o que ele tem de melhor! Ajudar este liderado a enxergar-se e a mudar de comportamento é, efetivamente, cuidar das suas relações humanas. É incentivar a troca de aprendizado e fazer, dos DOIS, pessoas melhores.

Aceitar que o outro (e nem você) não é perfeito e baixar as expectativas são habilidades importantes neste processo. Isto evitará frustrações que podem impedir sua crença nas pessoas. Isto o ajudará a aceitar as limitações. E aceitar é o primeiro passo para valorizar as pessoas e ter disposição para investir nos relacionamentos, mesmos os tortos e fora de forma.

Como andam suas relações humanas, meu povo? Ignorar este cuidado pode fazer da gente pessoas mais amargas e indigestas. Com menos relacionamentos. E com menos oportunidades de trocarmos experiências que nos ajudem a aflorar nossas melhores facetas.
Deixemos de ser imprudentes com nossos relacionamentos!  Afinal de contas, esperemos do outro aquilo que damos para ele.

Wednesday, October 19, 2011

Equilíbrio para ser Feliz!

Para que nossa mente seja curada de tantos problemas, de tanto estresse, da ansiedade, da loucura, da depressão, de pessoas mal-intencionadas, de reveses econômicos e de problemas sociais, vamos analisar em conjunto aqui três princípios que podem trazer equilíbrio necessário para chegarmos a resultados extraordinários.

 

1. Cuide de sim mesmo e de seus pensamentos!

O sucesso e os bons resultados não chegarão simplesmente porque você é bom. Você pode ser uma excelente pessoa, cheia de qualidades, mas, se não pensar corretamente, não chegará aos resultados que deseja. A questão não é ser bom, mas ter os pensamentos certos.

 

2. Seja o dono do seu mundo emocional!

Se quiser ter uma mente saudável, seja dono do seu mundo emocional, porque, se ceder a outros o comando das suas emoções e de sua vida, a fragilidade o dominará e qualquer um poderá machucá-lo. Você, e só você, pode e deve ter o controle da sua vida.

 

3. Você determina o que pensa, o que acredita e o que sente!

Sua felicidade não depende de como os outros o tratam, mas como você trata a si mesmo. Sempre ouvimos frases como: “Você me faz feliz” ou “Você roubou minha paz”. É possível que você hoje esteja assim, porque roubaram a sua paz e porque você entregou seu mundo emocional à outra pessoa e agora depende dela. Ninguém pode tirar a sua paz, a menos que você  a entregue. Ninguém pode fazer com que se sinta mal, a menos que você permita.

É você quem escolhe aquilo em que acredita, em que pensa, o que faz, a vida que vive. É você eu escolhe se quer viver feliz ou triste. Como na passagem da Bíblia, o livro dos livros, num livro chamado Habacuque 3.17-19 que diz: “Ainda que a figueira não floresça, nem haja fruto na vida, fique feliz”.

Gilclér Regina   

Friday, October 14, 2011

Termos Financeiros

Ação:
Título representativo de uma fração do capital social de uma companhia. As ações, conforme a natureza dos direitos ou vantagens que confiram a seus titulares, são ordinárias, preferenciais ou de fruição. Todas as ações devem ser emitidas e circular sob a forma nominativa.

Aceite:
Declaração que o devedor em um título de crédito assina, concordando com os termos do mesmo título (valor, vencimento e praça de pagamento) e reconhecendo a dívida adquirida.

Amortização:
Redução gradual do principal (valor nominal da dívida, sem contar os juros) de uma dívida por meio de pagamentos periódicos combinados entre o credor e o devedor.

Alocação de recursos:
Diz respeito às decisões quanto à utilização dos recursos (ou seja, "para onde vão"), especialmente na aquisição e combinação dos diversos insumos necessários à prestação de serviços.

Análise de eficiência:
Trata-se de conseguir a realização de um determinado trabalho de forma correta, com custo e tempo menores.
É a proporção do custo total (dinheiro) e recursos escassos (tempo) que pode ser relacionada com o benefício atualmente realizado.

Análise de produtividade:
É a relação entre o valor dos produtos obtidos e os meios utilizados nessa produção.
Produtividade tem uma relação entre a pro dução obtida e o número de pessoas empregadas para gerar essa produção.
Num sentido mais técnico, a produtividade é entendida como a relação entre a produção obtida por unidade produtiva, num período determinado, e os insumos para tanto utilizados.

Análise financeira:
São necessários instrumentos de análise das demonstrações para que certos aspectos mais importantes possam ser analisados com maio res detalhes.
A análise vertical e horizontal são instrumentos dessa análise financeira.

Ativo:
Registra os bens e direitos dos serviços, isto é, o que ele já possui e o que ele tem a receber.

Auditoria:
É um exame pericial, total ou parcial, executado por um auditor, das finanças e do capital de uma instituição, numa data determinada, bem como exame das transações financeiras durante o período fiscal que termina nessa data.
Tem como objetivo a comprovação das operações contábeis por meio desse exame analítico e pericial.

Capital:
Fundo de longo prazo com o qual a empresa é financiada OU é a soma de todos os recursos, bens e valores, mobilizados para a construção de uma empresa.

Cash:
Dinheiro contado à vista; pagamento em dinheiro.
CASH BASIS – venda à dinheiro
CASH DISCOUNT – desconto para pagamento à vista.

Commodity:
Nas relações comerciais internacionais, o termo designa um tipo particular de mercadoria em estado bruto ou produto primário de importância comercial, como é o caso do café, algodão, estanho, cobre...

Capital de giro:
É o conjunto de valores necessários para a empresa fazer seus negócios acontecerem (girar).

Centros de custo:
Classificam-se em produtivos e administrativos e, eventualmente, em auxiliares.
Em empresas comerciais os custos são analisados sob dois aspectos (fixos e variáveis).

Centros de custo produtivo:
São aqueles setores da empresa onde se processa a fabricação dos produtos.

Centros de custo administrativo:
São os setores que executam atividades de caráter gerencial ou administrativo da empresa.

Conta:
Registro do movimento de depósitos e retiradas.

Controle financeiro:
Consiste, basicamente, em comparar o que foi previsto/ planejado com o que está sendo realizado, isto é, se as metas estão sendo atingidas.

Custo:
Valor dos bens ou serviços consumidos ou aplicados em um período definido para produzir outros bens ou serviços nesse mesmo período.
É o valor de todos os recursos utilizados na produção e distribuição de bens e serviços.

Custo de oportunidade:
O reconhecimento do valor de um bem ou serviço pode ser medido em termos de ser esse valor a sua melhor alternativa de uso.

Custo marginal:
É a mudança do custo total resultante do incremento da produção de mais uma unidade do produto.
Acréscimo no custo total resultante do incremento de uma unidade no volume de produção.

Custo médio:
É o quociente que se obtém ao dividir o custo total de produção de um bem, produto ou resultado pelo número de unidades produzidas ou serviços prestados.

Custo padrão:
Calcula antecipadamente, com base na experiência passada e nos objetivos fixados para o período atual, os custos que devem ocorrer no período.
À medida de sua ocorrência, os custos reais e históricos são registra dos e comparados com os custos padrões, e as variações encontradas são analisadas.
Esse custo permite que a análise dos custos seja feita imediatamente após sua ocorrência e não depois de um período mais ou menos longo.

Custos diretos:
São aqueles incorridos com a organização e operacionalização de determinado produto/serviço.

Custos fixos:
São aqueles que não variam devido às alterações do nível de pro dução da empresa, ou seja, dentro de um mês ou outra unidade de tempo, assumem determinado valor independentemente de nesse mesmo período a empresa ter um nível maior ou menor de atividade.

Custos indiretos:
São os gastos fixos que não variam com o volume de produção.

Custos semifixos e semivariáveis:
Alguns custos apresentam um comportamento, a curto prazo, que pode ser decomposto em duas parcelas: um componente fixo e outro variável.
A reunião desses componentes resulta num comportamento misto cuja denominação é "semifixo" ou "semivariável".

Custos totais:
É a soma dos custos fixos e variáveis da empresa; podem ser separados em dois tipos: custos diretos, que incidem diretamente sobre o bem ou o serviço produzido e são facilmente identificáveis e atribuíveis ao bem ou serviço em questão, e os indiretos, que são relativos a um grupo de bens ou serviços, ou a todos eles, e que são de atribuição mais difícil.

Custos variáveis:
São aqueles que, dentro de certo mês, ou outra unidade de tempo, têm o valor total determinado exatamente como decorrência direta do nível de atividade da empresa.
A classificação variável aplica-se ao custo que demostra um comportamento que depende exclusivamente das variações do nível de produção.
Depreciação: significa a perda de eficiência funcional ou valor dos bens, como máquinas, instalações, veículos, etc.
Para a economia, a depreciação está intimamente ligada à idéia de diferença entre valores.
Para a contabilidade, a depreciação é um custo amortizado.

Despesa / Débito:
O valor despendido na aquisição de um bem ou na prestação de um serviço; implica necessariamente um dispêndio de dinheiro.
Em uma transação financeira, débito é uma movimentação em que o saldo é negativo.

Fluxo de caixa:
Refere-se ao montante de caixa recebido e gasto por uma empresa durante um período de tempo definido, algumas vezes ligado a um projeto específico.

Insumos:
São recursos ou matérias-primas.
Os insumos incluem recursos huma nos, materiais médicos ou hospitalares, equipamentos e instalações e a tecno logia para operá-los; eles têm, necessariamente, um custo, mesmo que a uni dade que os utilize não realize nenhum desembolso direto por eles.

Liquidez:
É a capacidade de um bem ou direito se transformar em "dinheiro vivo" num curto espaço de tempo.
A liquidez dos ativos de uma instituição é importante porque permite que ela faça pagamentos imprevistos ou de curto prazo, realizando rapidamente aplicações, estoques ou outro bem.
Por extensão, diz-se que uma empresa "tem liquidez" quando ela tem ativos de curto prazo em montante suficiente para pagar suas dívidas de curto prazo e ainda enfrentar imprevistos.

Movimentos:
Registrar em uma conta depósitos e retiradas.

Orçamento base zero:
É um processo operacional de planejamento e orçamento que exige de cada administrador a fundamentação da necessidade dos recursos totais solicitados e em detalhes lhe transfere o ônus da prova, a fim de que ele justifique a despesa.
No orçamento base zero, desconsidera-se o anterior e se parte a cada ano como se fosse do zero para se justificar tudo.

Passivo:
Registra as obrigações, ou dívidas, e o patrimônio líquido, que é a par te que pertence aos proprietários.

Planejamento financeiro:
Consiste em definir a política e os objetivos financeiros dos serviços – investimento, crescimento, etc. – e prover o volume e os tipos dos recursos necessários para atingir esses objetivos, bem como a aplicação desses recursos.
A elaboração e o estabelecimento de um plano ou orçamento integrado de atividades são freqüentemente considerados como a função principal.

Plano de contas:
É uma listagem de contas com símbolos numéricos para todas as contas de Ativo, Passivo, Capital, Receitas e Despesas...
O plano de contas consiste em uma estruturação ordenada e sistematizada das contas utilizáveis numa entidade.
A elaboração de um plano contábil obedece aos princípios de contabilidade geralmente aceitos e às normas legais aplicáveis em cada caso concreto.
O plano contém as diretrizes técnicas gerais e especiais que orientam a realização dos registros dos fatos ocor ridos e dos atos praticados na entidade.

Ponto de equilíbrio:
Nasce da conjugação dos custos totais com as receitas totais.
É a quantidade ou valor em que a receita total é igual ao custo total; nesse ponto, não há prejuízo nem lucro.

Projeção de fluxo de caixa:
É a estimativa do fluxo de entrada e saída de dinheiro ou outros formas de recebimento e pagamento como cheque, cartão no caixa de uma empresa, baseado em dados passados e projeções de cenários futuros.

Receita / Crédito:
O valor recebido pela venda de bens ou prestação de serviços.
Crédito é uma movimentação com saldo positivo.

Saldo:
Diferença entre débitos e créditos numa conta.
Resto de uma quantia a pagar ou a receber.
Excedente da receita sobre a despesa.

Boas Práticas Financeiras

Administrar, administrar, administrar...
O hábito de administrar as finanças
é mais importante do que a quantidade de dinheiro que você tem.
Ou você controla o seu dinheiro ou ele controlará você.
Administrar é... Fazer o seu dinheiro trabalhar para você tanto quanto você trabalha para ele.
Independência financeira NÃO esta associada a diferenças de educação, de inteligência, de talento, de oportunidades, quantidade de horas de trabalho, de contatos, de sorte, escolha de empregos, negócios ou investimentos.
A independência financeira esta associada a ato de Administrar


Durante toda a vida, nos deparamos com muitas escolhas e decisões em nossas finanças.
Para alguns de nós, o processo de tomar decisões é, na melhor das hipóteses, acidental. Mesmo assim, analisar a situação, identificar escolhas e tomar decisões fundamentadas são processos que podem ser aprendidos e praticados.
Dissocie a palavra ADMINISTRAR da sensação de restrição, e pense no que pode alcançar com uma ADMINISTRAÇÃO eficiente.

Controlar suas finanças deve ser um hábito.
Não com o objetivo de restringir seus sonhos de consumo, mas sim de convidá-lo a planejar melhor a realização da cada um deles, gastando o seu dinheiro de maneira mais inteligente e equilibrada.
Você se surpreenderá com os resultados!

Que tal então pensar em administrar como uma ferramenta SUPER amigável que auxilie você a adotar e ter uma vida financeiramente mais responsável?

Comece já!

       Para que você usa o seu dinheiro? No futuro, em que você acha que vai gastar o seu dinheiro? Antes de pagar suas despesas fixas, você sai comprando coisas supérfluas? Você economiza algum dinheiro todo mês? Sua situação atual não lhe permite reservas? Falta dinheiro às vezes? Você acha mais fácil ganhar dinheiro ou gastar dinheiro? As questões acima de um modo geral são fáceis de responder, o difícil é responder:
Quanto % de despesa com telefone você tem no mês em relação a sua receita? E com o carro, quanto? Quanto você paga de pedágio, gasolina, alimentação, transporte... Na semana? No mês? No ano? Esta semana quanto de despesa você já teve? No mês? No ano? Na próxima segunda-feira como esta a sua situação entre créditos e débitos? Considerando suas despesas fixas e variáveis, no dia 3 de novembro como estará à situação da sua receita x despesa?. Daqui dois meses quanto você pode comprometer da sua receita, e seis meses?

Um software financeiro pode ajudar!

Cadastre todas os créditos/receitas.
Do dia, semana, mês, ano...
Cadastre todas os débitos/despesas.
Do dia, semana, mês, ano...
Planeje/projete os créditos e débitos.
Dia
Semana
Mês
Ano...
Compare os créditos e débitos.
Dia
Semana
Mês
Ano...

Os benefícios da informação:

O poder de determinar suas metas pessoais à longo prazo.
Criar orçamentos, plenos e tranqüilos.
O poder de determinar quais despesas são
necessidades e quais são supérfluos.
Foco nas despesas/consumos, saber o que pode ser reduzido ou eliminado.
Acompanhar o sucesso do seu progresso rumo às metas de longo prazo.
Prospectar objetivos financeiros de sua vida.
Vislumbre o dinheiro, saiba quais os caminhos que a sua receita percorre.
Monitore sua situação financeira.
Proteja-se contra as conseqüências financeiras de eventos imprevistos.

Observe o óbvio:
Se houver mais débitos do que crédito, contraímos uma dívida.
Se os créditos forem iguais ou maiores que os débitos, estamos á caminho da independência financeira.

Não procrastine, comece já!

Administrar a vida financeira exige disciplina.
Os resultados da administração financeira são visíveis e influenciam no dia-a-dia de nossa vida.
"Por meio de coisas pequenas e simples, as grandes são realizadas" ( Alma 37:6-7 )

Pergunta:
Porque administrar minhas finanças?

Resposta:

O primeiro elemento da mudança é a conscientização, você não pode modificar uma coisa cuja existência você ignora.

A administração das finanças é o diferencial entre sonhadores e realizadores.
A administração financeira pode fazer mais por suas finanças do que 30 anos de trabalho.
Com administração financeira o sucesso não é mero acaso.

Em que um software financeiro pode me ajudar?

Foco em propósitos e objetivos.
Prospectar propósitos e objetivos para o futuro.
Obtenção de informações fundamentais em tomadas de decisões.
Plena condição de análise e avaliação das condições financeiras.
Planejar e controlar as entradas e saídas.
Antecipar informações sobre possível aperto ou a folga financeira.
Verificar se os recursos financeiros são suficientes para novas aquisições.
Planejar melhores políticas de prazos de pagamentos e recebimentos.
Obter o comportamento de seus recebimentos e gastos periodicamente, com ou sem a influência dos saldos anteriores.

7 competências que o mercado busca nos profissionais

Quais são as características que um profissional precisa ter, além, é claro, daquelas específicas de cada ramo de atuação? Victor Martínez, especialista em treinamentos comportamentais e projetos de RH e CEO da Thomas Brasil, empresa especializada em gestão de pessoas, listou sete talentos que as empresas buscam nos profissionais. Veja abaixo:
1. Autogerenciamento - É a capacidade de motivação, disciplina e auto avaliação do indivíduo. Trata-se do profissional capaz de realizar projetos, buscar soluções e identificar formas de implementar as soluções.
2. Comunicação múltipla - Segundo Martínez, o mundo é uma aldeia global, por isso, a capacidade de se comunicar de modo realmente eficaz em inglês deve ser prioridade em determinadas áreas. "Há outras formas de comunicação que devem ser exploradas, como por exemplo, a informática, os blogs, a intranet, os processos e sistemas de informação e transmissão de dados."
3. Negociação - Reflita sobre sua capacidade de negociação e dê atenção especial às suas habilidades nesse campo. Apresente suas ideias de forma clara e convincente e argumente de forma positiva, franca e objetiva.
4. Adaptabilidade - "Mudança é uma das duas grandes certezas da vida", diz Martínez. Por isso o profissional do futuro deve procurar prevê-las e antecipar-se a elas.
5. Educação contínua - Novidades tecnológicas, descobertas, novos processos mais eficazes aparecem a cada momento. Por isso, é fundamental a busca continua por aprimoramento.
6. Domínio da tecnologia - Como já dizia Ayrton Senna, tecnologia faz diferença. Use e fomente a tecnologia de ponta sempre que possível ou quando houver necessidade. Para evoluir nesse quesito, decrete sua própria obsolescência e parta para patamares mais altos de tecnologia.
7. Foco nos resultados - São os resultados que interessam, mas lembre-se que a ética deve ser respeitada. Na busca pelos resultados, as pessoas também são avaliadas por suas ações. Vale refletir e analisar o que você busca e o que agregará valor em termos de custos/esforço. Concentre-se nisso.

Tuesday, October 4, 2011

Sucesso em 3 meses

Nadar ou Afundar – Emprego Novo, Chefe Novo – Você tem 12 semanas para ser indispensável

1ª Semana – Vasculhe o terreno
Explore seu novo ambiente de trabalho. Descubra quem se encontra ao seu redor e não se esqueça de se apresentar.
Defina sua rotina. Dê-se bastante tempo para cumprir cada atividade. O que você imaginava ser uma rotina de meia hora dura, na verdade, uma.
Colete informações acerca de seu emprego e de sua empresa. A prioridade é entender as responsabilidades, as funções e os processos relativos a seu cargo.
Habitue-se à equipe e aos processos dela. Faça contato com os colegas. No início, seja descontraído e amigável, mas reservado. E não fale apenas de você. Pergunte aos colegas sobre eles.
Observe a cultura da organização. Como as pessoas se vestem? Como se comunicam? O ambiente é silencioso ou barulhento? Adeque-se.

2ª Semana – Controle suas emoções
Identifique suas responsabilidades. Fale com seu chefe para assegurar-se de que ambos não têm nenhuma dúvida sobre o que esperar de seu trabalho.
Ajuste sua rotina para atender às novas necessidades. Defina o nível de prioridade de seus projetos e monte uma agenda. Examine-a pelo menos três vezes ao dia.
Determine o que você sabe e o que precisa saber. Identifique as aptidões, informações e conhecimentos necessários para atingir seus objetivos.
Pratique suas aptidões de imagem, conhecendo mais pessoas. Almoce com colegas diferentes regularmente.
Observe a cultura da organização. Treine sua habilidade de ouvir atentamente.

3ª Semana – Empenhe-se
Esclareça suas tarefas. Deixe bem claro a prioridade do projeto, os fatores para o sucesso, os marcos, o cronograma e os recursos necessários.
Identifique o tempo que corresponde a cada parte de suas tarefas. Anote na agenda todos os seus prazos e marcos. Crie e utilize uma lista diária de tarefas.
Determine quais os recursos necessários e onde obtê-los. Faça uma lista de aptidões e conhecimentos que precisa desenvolver.
Deixe claras as expectativas de seu gerente e de sua equipe quanto a você. Mantenha contato freqüente com seu time e atualize seu gerente sobre seu trabalho. Não vá até ele apenas quando houver algo fora de controle. Senão, ele só vai associá-lo a problemas.
Crie uma rede de contatos para obter informações. Baseie-se no conhecimento de sua equipe para evitar as armadilhas pelas quais ela já passou.
Pondere sobre suas perguntas, forneça respostas e opiniões, faça solicitações precisas. A construção bem sucedida de sua imagem depende de uma comunicação eficiente.

4ª Semana – Aprofunde-se
Progrida em seu trabalho. Reavalie seu planejamento para ver se é preciso mudar ou acrescentar algo. Se for o caso, seja flexível.
Planeje-se para interrupções em sua semana. Deixe brechas na agenda para acomodar trabalhos atrasados.
Utilize recursos relevantes sobre conhecimentos. Estabeleça relações de confiança e troque informações com os colegas.
Comece a partilhar seus recursos com a equipe. Excetuando as informações confidenciais, decerto você tem experiências profissionais e observações sobre seu ambiente de trabalho que podem ser divididas.
Desenvolva a afinidade e a confiança. Ouça seus colegas, pergunte sobre eles, divida experiências em comum.

5ª Semana – Fique alerta
Conheça maneiras bem sucedida pelas quais executarem o trabalho. Perceba como as decisões são tomadas. Descubra qual o protocolo para iniciar novas idéias. Confira como obter ajuda quando necessário.
Observe o ritmo da empresa. Veja como o tempo é tratado, valorizado e gerenciado. Aumente ou diminua a sua velocidade, se necessário, para obter melhor sintonia com os colegas.
Identifique como as informações são partilhadas. Será que há diferença entre os tipos de informação compartilhados em reuniões e por e-mail? Defina se as informações que partilhar é adequado às pessoas que vão recebê-las e qual o método adequado para se comunicar com elas.
Compreenda como sua equipe executa um trabalho, como colabora e como funciona. O maior desafio para um funcionário novo é perceber as diversas dinâmicas sob as quais as pessoas trabalham juntas.
Descubram como as pessoas assumem as responsabilidades por seus atos, quais os valores do time e as características de seus colegas.
Observe seu ambiente, como outras pessoas consideradas bem sucedidas se vestem e se comportam. Certifique-se de que sua imagem está transmitindo a mensagem correta.

6ª Semana – Arregace as Mangas
Defina suas aptidões e atributos exclusivos. Identifique  que faz de você uma pessoa única e como isso pode ajudá-lo a alcançar o êxito.
Separe um tempo para ponderar e obter perspectivas sobre o que o torna uma pessoa única e o que está aprendendo. Marque uma reunião com seu gerente para pedir um feedback.
Identifique o que você conhece, determine as áreas principais e estabeleça como aplicar seus conhecimentos ao seu trabalho. Para impulsionar seus pontos fortes, contribua com suas informações em vez de esperar que venham lhe perguntar.
Obtenha um feedback do seu desempenho e partilhe seus pensamentos, suas reflexões e suas idéias. Avalie como contribuir para a equipe por meio de seus pontos fortes. Identifique quem precisa receber sua mensagem de relações públicas.
Trabalhe no desenvolvimento e na transmissão de sua mensagem pessoal de relações públicas. Converse com um amigo de confiança sobre seus pontos fortes. Peça feedbacks informais a colegas. Defina frases essenciais que captem aquilo pelo que deseja ser conhecido. Encontre momentos certos para fazer seu marketing pessoal.

7ª Semana – Vá Almoçar
Verifique sua rede de contatos e descubra oportunidades para expandi-la. Identifique colegas que precisa conhecer, aprimorando networking.
Modifique o tempo da sua rede para fazer os contatos necessários. Arrume seus horários de modo a ter mais tempo para montar uma rede de contatos.
Perceba se você conhece as pessoas que detêm as informações certas. Avalie sua rede de contatos tendo como ponto de vista os conhecimentos que ela apresenta e as especialidades ou recursos que quer acrescentar a ela.
Examine e reforce o relacionamento com os membros de sua equipe. Converse com os mais difíceis de lidar.
Analise se suas aptidões de imagem estão no rumo certo para a criação de sua rede de contatos. Certifique-se que suas mensagens estão sendo entendidas de acordo com sua intenção.

8ª Semana – Trace suas Coordenadas
Planeje e identifique seus objetivos para seis meses. A partir daí, defina os recursos necessários, onde e como obtê-los e quando precisará deles.
Priorize seus projetos em conjunto com seus objetivos. Você tem de conquistar o tempo necessário para trabalhar em seus planos para daqui a seis meses.
Identifique tendências ou informações que causarão impacto sobre você, seu trabalho e sua profissão. Faça pesquisas sobre o objeto de desejo de seu coração – os objetivos que espera atingir em seis meses – antes de elaborar imagens sensacionais dos projetos fascinantes nos quais gostaria de trabalhar.
Compartilhe informações com a equipe de modo a ajudar a enxergar o futuro e trabalhar a favor dele. Sem compartilhar, você pode passar por mesquinho ou anti-social e ainda perder a chance de mostrar seus talentos.
Combine sua imagem aos seus objetivos futuros. O ajuste de sua imagem deve ser algo divertido: um novo comportamento ou, quem sabe, adicionar algumas palavras à sua mensagem de relações públicas.

9ª Semana – Olhe no Retrovisor
Confirme para si mesmo. Pergunte-se: ‘tenho um plano, que atualizo com freqüência, que me ajudará a atingir os objetivos do meu projeto?
Ajuste sua capacidade de acompanhar o tempo e as tarefas. Verifique como estão suas aptidões de gerenciamento de tempo, se chega pontualmente ao trabalho e às reuniões, se deixa serviço pendente, se sai da empresa em horário sensato.
Determine a adequação e a eficácia de sua base de conhecimentos. Identifique com quem precisa desenvolver relacionamentos adicionais para obter acesso às informações exigidas no trabalho.
Examine como você está atendendo às expectativas da equipe. Caso você seja aquele indivíduo no quais os não confiam, torna-se o elo mais fraco do grupo.
Analise como você está transmitindo sua mensagem, bem como o nível de eficácia dela. Obtenha feedback sobre como seus colegas o vêem. Verifique se seu comportamento dá respaldo à sua mensagem de relações públicas.

10ª Semana – Verifique a realidade
Determine a verdadeira cultura da empresa e como prosperar dentro dela. Identifique que imagem recompensada na organização.
Reconheça a velocidade da organização, da equipe e dos indivíduos. A partir daí, identifique o que é preciso ajustar para se manter no ritmo certo.
Observe como são compartilhadas as informações. Talvez você descubra que um ‘Oi, tudo bem?’ pode conduzi-lo a um interessante fato corriqueiro. Assistentes administrativos são amigos preciosos.
Determine como sua equipe funciona na realidade. Certifique-se de que seu comportamento e nível de compromisso estejam no mesmo nível dos da equipe.
Verifique a imagem que é valorizada na empresa. Garanta que sua imagem respalda aquilo pelo qual você quer ser conhecido.

11ª Semana – Cante Vitória
Identifique seus sucesso e as áreas que você precisa se aprimorar. Conforme identificar os objetivos que realizou e para os quais está se empenhando, leve em conta sua fórmula de campeão. Identifique nessa fórmula os ingredientes que deseja manter e os que merecem um ajuste. Assim, você chegará o mais perto possível da fórmula de campeão.
Determine suas aptidões de gerenciamento de tempo. Examine sua capacidade de priorizar e executar seus projetos de forma oportuna. Certifique-se de que dá a si mesmo tempo suficiente para realizar todas as tarefas e atividades necessárias para não ficar estressado.
Analise como você pode partilhar conhecimentos com mais eficiência. Avalie o que deu certo quando você partilhou e o que não se mostrou tão eficiente. Sua capacidade de conseguir informações com outras pessoas (e como você faz isso) é o que continuará conduzindo o seu sucesso na organização.
Verifique suas aptidões de colaboração e treinamento. O verdadeiro teste é saber como as outras pessoas o definem como alguém que coopera ou não com a equipe.
Verifique também suas aptidões de rede de contatos e sua mensagem de relações públicas. Responda a questão: o conceito que os outros têm de você é o que realmente pretende transmitir com sua mensagem de relações públicas?

12ª Semana – Levante as Velas
Determine seu objetivo para um ano. Deve ser algo que tenha significado para você e que o obrigue a extrair o melhor de seus talentos.
Crie um plano com prazos específicos. Faça um cronograma realista. Certifique-se de que se atém a ele e o reavalia conforme necessário.
Liste o que é preciso aprender e conhecer para atingir seu objetivo em um ano. Determine as aptidões de colaboração e treinamento necessárias para atingir seu objetivo. Quanto mais cedo você envolver os outros em suas metas, maior a probabilidade de obter respaldo a elas. O treinamento vai ajudá-lo também a descobrir quais outros fatores desempenham um papel importante em seu objetivo.
Determine as áreas de conhecimento para suas aptidões de conhecimento, rede de contatos e mensagem pessoal de relações públicas. Defina como quer ser conhecido dentro de um ano e evolua em direção a esse perfil.

10 filmes que podem ajudar na sua carreira

Os profissionais que desejam aprimorar a carreira podem optar por diversos meios, como treinamentos, palestras, coaching, entre outros. Uma das maneiras mais divertidas e com custo acessível é assistir a filmes.

Pensando nisso, o Portal InfoMoney conversou com duas especialistas, a psicóloga e coordenadora de Carreiras da Veris Faculdades, Jamile Ferraresso, e a professora de Gestão de Pessoas da Pós-Graduação da ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing), Fátima Motta.

Ao todo, elas indicaram 10 filmes que podem ajudar o profissional a refletir sobre a carreira, o ambiente de trabalho, colegas, chefe e até mesmo sobre seus desejos profissionais. Escolha os seus favoritos, prepare a pipoca e espalhe-se no sofá!

Da tela do cinema para vida real

Confira abaixo os 10 filmes indicados pelas especialistas:

Incontrolável (Unstoppable/ EUA/2010): por desatenção, um funcionário se descuida de uma locomotiva carregada de carga tóxica e que a qualquer momento poderá causar um grande acidente. Para evitar a tragédia, o condutor (Chris Pine) e um maquinista experiente (Denzel Washington) têm de elaborar um plano para tentar parar a locomotiva desenfreada.

Lição: no filme, é possível refletir sobre a importância do trabalho, indiferentemente de qualquer que seja a função, sobre a valorização do profissional que faz o seu trabalho seriamente, a importância do líder conhecer bem o seu trabalho para poder gerenciar, deixar os problemas pessoais em casa e a humildade que é fundamental para qualquer profissional.

A Grande Virada (The Company Men EUA/2011): Bobby Walker (Ben Affleck) aparentemente não tem do que reclamar de sua vida: tem uma ótima família, um bom emprego e um Porsche na garagem. O que ele não esperava era que, devido a uma política de redução de pessoal da sua empresa, a GTX (Global Transportation Systems), ele fosse demitido. A mudança faz com que ele tenha de redefinir sua vida, lutar para retornar ao mercado de trabalho, manter a autoestima e traçar um plano de carreira.

Lição: o desemprego pode acontecer com qualquer um e a qualquer hora; o filme estimula a reflexão sobre as mudanças do mercado, a questão trabalho x valores pessoais, a importância e os benefícios de planejar sua carreira, bem como sobre os pontos fortes e fracos e como trabalhar a autoestima.

O Diabo Veste Prada (The Devil Wears Prada EUA/2006): a jornalista recém-formada Andrea Sachs (Anne Hathaway) é uma jovem que conseguiu um emprego na Runaway Magazine, a mais importante revista de moda de Nova York. Ela passa a trabalhar como assistente de Miranda Priestly (Meryl Streep), principal executiva da revista. Como assistente, ela tenta lidar com as exigências de sua chefe, entrando em conflito de personalidade, porque não consegue conciliar o trabalho com a família, os amigos e o namorado.

Lição: é possível refletir sobre missão, visão e valores, sobre até que ponto o profissional pretende chegar, quais são os seus limites e sobre qualidade de vida.

À Procura da Felicidade (The Pursuit of Happyness EUA-2006): Chris Gardner (Will Smith) é pai solteiro que enfrenta sérios problemas financeiros e precisa cuidar de seu filho de apenas cinco anos. Ele tenta usar sua habilidade como vendedor para conseguir um emprego melhor, a fim de conseguir um salário que consiga dar uma criação digna a seu filho.

Lição: determinação e persistência frente a desafios, comprometimento e responsabilidade profissional e pessoal.

Forrest Gump – O Contador de Histórias (Forrest Gump EUA/1994): Forrest Gump (Tom Hanks) é um homem com o QI (Quociente de Inteligência) abaixo da média. É uma pessoa ingênua que enxerga o mundo por uma perspectiva diferente. Ele encontra uma forma de se livrar da solidão correndo, mas se encontra sem rumo e direção.

Lição: no filme, é possível refletir sobre o autoconhecimento, a resiliência a automotivação e o planejamento de carreira.

Sociedade dos Poetas Mortos (Dead Poets Society EUA/1989): em uma tradicional escola preparatória, um ex-aluno (Robin Williams) se torna o novo professor de literatura, mas, logo, seus métodos de incentivar os alunos a pensarem por si mesmos cria um choque com a cultura ortodoxa do colégio.

Lição: no filme é possível refletir lições sobre liderança, pensamento crítico e de como se tornar referência profissional.

Coach Carter – Treino Para a Vida (Coach Carter – EUA/2005): Ken Carter (Samuel L. Jackson) aceita ser o técnico de basquete de sua antiga escola, em que conseguiu recordes e que fica em uma área pobre da cidade. O novo treinador impõe um rígido regime, em que os alunos tenham de assinar um contrato se comprometendo em tirar boas notas e ter um comportamento respeitoso. As normas impostas contrariam os alunos, as mães dos alunos, os professores e a comunidade.

Lição: o filme aborda aspectos da liderança que transmite à equipe o significado de uma visão maior. Importante na construção de equipes.

Ritmo Total (Drumline EUA -2002): O jovem baterista Devon Miles (Nick Cannon) é um adolescente que acaba de se formar no Ensino Médio em Nova York. Após a formatura, Devon parte para Atlanta para fazer parte da Atlanta A&T University, uma universidade que tem historicamente jovens de maioria negra e talentosos na sua banda.

Lição: o filme aborda a importância do trabalho em equipe para se conseguir resultados extraordinários. Além disso, foca o quanto a individualidade pode ser prejudicial e pouco produtiva.

Um Domingo Qualquer (Any Given Sunday EUA/1999): Os bastidores do futebol americano, passando desde os jogadores até os treinadores, a mídia e os donos de times, que controlam o jogo como um grande negócio que lucra milhões de dólares todo ano.

Lição: no filme, é possível aprender sobre superação, trabalho em time e liderança em um ambiente competitivo.   

Mudança de Hábito (Sister Act EUA/1992): Deloris Van Cartier (Whoopi Goldberg) é uma cantora que acidentalmente testemunha um assassinato cometido pelo seu namorado, o gângster Vince LaRocca (Harvey Keitel). Enquanto tenta capturar Vince, um detetive, Eddie Souther (Bill Nunn), é encarregado de protegê-la. Deloris é colocada no programa de proteção às testemunhas e é mandada para um convento em São Francisco disfarçada de freira, usando o nome de irmã Mary Clarence.

Lição: no filme, é possível discutir questões como exercer a influência em rede, com pares e superiores, para conquistar resultados em equipe. Além disso, o filme trabalha a adaptação a mudanças e novos cenários.

Por Karla Santana Mamona | InfoMoney


Monday, October 3, 2011

Como Será seu Futuro?

“Uma das coisas mais importantes na construção do futuro é ter foco, saber o que se quer, com atitude e motivação” Gilclér Regina   

Como você imagina a sua vida daqui a cinco anos? Onde você estaria e como seria? Você tem que ver o que tem: dinheiro, fé, saúde, tudo, tudo, tudo... Deve pensar daqui a 5, 10 ou 15 anos. Quando vir a foto completa, ou seja, quando ver o final, aí sim chegará aos resultados.
O pensamento a longo prazo melhora as decisões de curto prazo.
Os pensamentos positivos devem nos defender de crenças erradas e nos estimular à ação, a resultados surpreendentes. Toda situação tem um lado positivo e poder vê-la dessa forma nos ajudará a resolver com maior rapidez as dificuldades e momentos difíceis.
Se pensar que vai se dar mal, certamente vai se dar mal.
Se, ao contrário, for determinado e afirmar que tudo que fizer dará certo, todas as suas ações irão colaborar para que você chegue à meta e aos resultados.
Pensar é barato, ou melhor, não custa nada e torna mais fácil viver bem. Uma atitude assim o leva a conquista do sucesso.
É indispensável dirigir o pensamento para aquilo que nos mantém ativos e ocupados, para os resultados que queremos e não para aquilo que nos dispersa e nos faz sair do foco.
Devemos ter sempre em mente a nossa meta. De preferência, registrar sempre as metas, no papel, no note, sempre ao seu alcance.
Assim, se existe um problema, geralmente nosso pensamento está focado nele. Em parte, somos como pensamos que somos e acabamos agindo de acordo com esse sistema de crenças que temos de nós mesmos.
Seu futuro começa a ser construído quando você sente que tem a liberdade de uma mente livre e um coração aberto. O sucesso é a opção em não desistir e o fracasso é a opção em desistir cedo demais.
Gilclér Regina