Monday, March 26, 2012

Medo da Crise, Desafios e Foco em Resultados!

"O maior benefício de uma crise é justamente este: força-nos a pensar diferente. E não vivemos de palavras, promessas ou desculpas. Vivemos de resultados."
Gilclér Regina

O imediatismo típico de muitas empresas brasileiras faz com que seus líderes fiquem pensando nos efeitos da chamada crise da economia e se esquecem de treinar o seu pessoal. Não atendem pessoalmente os seus clientes, não conhecem mais os seus funcionários e quando perdem negócios, culpam o mundo.
O mercado é interessante, assemelhando-se a uma Copa do Mundo. É preciso conhecer muito bem o seu time e avaliar com exatidão como vai o time dos outros, quem são as estrelas dos concorrentes, quem está marcando gol, qual é a melhor defesa, quem faz a diferença...
Acontece que ao olharmos para o nosso umbigo, isto é, para dentro da nossa empresa, veremos que existem pessoas ótimas, marcando gols e atingindo os objetivos e metas, executando o que foi planejado...
Mas também teremos a oportunidade de ver pessoas que estão marcando gols contra, que acham que o cliente é uma maldita amolação, pessoas não comprometidas com a empresa e o negócio, e desmotivados que acham que nada vai dar certo.
A crise quase sempre está na expectativa, isto é, na cabeça das pessoas. A diferença entre o comum e o excelente está na palavra mais importante do dicionário: Atitude! E o foco desta atitude vem em outra frente de trabalho chamada resultados.
Eu tenho sempre colocado que pior que uma pessoa que não sabe ler é uma que sabe, mas não lê. A diferença básica do americano e o japonês quanto à fôrça econômica e a explosão do mercado asiático no mundo recente foi simples: O americano escreveu o livro... O japonês leu!
A resposta para os melhores resultados é não desanimar, não entrar na onda de crises, não desmotivar, não fazer dos pedregulhos uma montanha e concentrar o foco na motivação aliada ao conhecimento com atitude de decisão, o que fará tudo mudar. O nome disto chama-se: sucesso.
Gente é 85% emoção e 15% lógica.  Gente pensa e ideias são baratas e abundantes. O que tem valor é o emprego efetivo dessas ideias em situações que se transformem em ações de qualidade e resultados.
Para fugir de crises ou momentos difíceis e se obter melhores resultados os líderes deverão aprender a potencializar uma massa que se encontra estagnada e sem desafios – E se tem uma coisa que move o mundo é justamente o desafio.
O fracasso descobre o gênio. O fracasso fortifica os fortes e é um tempero indispensável para as vitórias. Não procure emprego, procure trabalho. Ah! Não procure trabalho, procure clientes. Isso fará toda diferença!

Monday, March 12, 2012

Falência Motivacional

"O que motivava ontem já não motiva hoje. Motivação é coisa séria, é ciência, é estudo do comportamento humano."
Gilclér Regina

As empresas buscam motivar os colaboradores e chegam a gastar cifras elevadas em programas que culminam no fracasso. Onde estas organizações erram? Eu acredito que o erro número “um” é não perguntar o que é que motiva.
O problema fica concentrado na falsa expectativa, ou seja, enquanto alguns esperam ganhar uma viagem e recebem um bônus financeiro, outros que esperavam receber o bônus financeiro acabam ganhando uma viagem.
Uma empresa nunca quebra hoje, quebra cinco anos antes e isso não é falência financeira é falência motivacional. A ideia de futuro no mundo que vivemos hoje não é uma repetição do passado. Motivação não é cesta básica. As pessoas tratam à motivação como se ela fosse  uma festa de final de ano, uma confraternização.
Não! Motivação é coisa séria, é ciência, é estudo do comportamento humano e quanto mais competitividade, quanto mais feroz for uma economia, mais ousadas serão as ações de marketing, as ferramentas de gestão e ganha muito em importância a motivação humana.
A motivação no campo organizacional está em constante processo de mudanças. Por que isso?  Porque o mundo muda constantemente e por conseqüência as pessoas mudam, as empresas mudam, os produtos mudam, os serviços mudam, as expectativas mudam...
O que motivava ontem já não motiva hoje. As expectativas mudaram e o perfil das pessoas que trabalham hoje em relação aos trabalhadores de dez ou vinte anos atrás é muito diferente, a tecnologia entrou com força total, a revolução digital, a cibernética... Não tem volta.
E o ser humano nesse contexto tem novas motivações para um perfil completamente novo de trabalho. Ser humano é sempre ser humano, está sempre em adaptação. É 10% vocação e 90% adaptação e com isso vai quebrando paradigmas.
Einstein dizia: “Traga o interesse para as coisas que você faz e elas acontecem”.
Eu atuava como consultor numa indústria alimentícia e todos os sábados os representantes traziam os produtos da concorrência para análise e o responsável pela criação de produtos era chamado, experimentava e jogava no lixo dizendo que os produtos não prestavam...
Um dia dei uma ideia aos diretores e pegamos o produto da empresa e reembalamos com a caixa e embalagem da concorrência. Quando o gerente de produtos foi chamado naquele sábado, mal experimentou o produto da “concorrência” que na verdade era o dele, jogou logo no lixo e disse que não prestava, citando outros palavrões que não cabe aqui dizer.
Esse tipo de mascaração da verdade vai minando aos poucos a resistência da empresa, da marca, das mudanças necessárias que nunca mudam e, por este tipo de ignorância e outras, acaba provocando a falência motivacional da empresa, do negócio, das pessoas... E por consequência, a falência financeira.

"A motivação para o sucesso surge quando se quer muito alcançar um objetivo."
Gilclér Regina

"Se a dúvida está te desafiando e você não agir, as dúvidas crescerão. Desafie as dúvidas com ação e você crescerá. Dúvida e ação são incompatíveis."
Gilclér Regina

"Você precisa olhar quem é o nº 1 da sua empresa. É ali que você sentirá se pode crescer ou não."
Gilclér Regina

"A motivação é remédio contra a acomodação e a boa atitude é remédio para combater a arrogância."
Gilclér Regina

Wednesday, March 7, 2012

Nada de viver como bombeiro

Por Abraham Shapiro | Blog HSM

Eu participava de um debate em um canal de TV quando o entrevistador dirigiu-me uma pergunta: “Dr Shapiro, por que tantos gerentes são ineficazes?” Minha resposta imediata foi: “Porque são bombeiros!”

Eu me surpreendi com a rapidez com que minhas palavras saíram. Mas a ideia era clara como a luz do sol na minha mente. É a mais pura verdade!

Gerentes ineficazes não têm tempo para pensar, nem para planejar táticas. Quando você é um gerente bombeiro, você não lidera coisa nenhuma. Só apaga incêndios. Você não decide mais em que direção sua equipe está indo. O incêndio é que decide. Ele impera sobre a sua vida. Você pensa que está controlando-o, mas não. É o incêndio que o controla.

O que é um incêndio numa empresa? É qualquer problema que se deflagra de surpresa  e exige tempo, atenção e imaginação.

Em certo nível, o incêndio é normal em qualquer organização. Nas empresas desorganizadas  ele é o dia a dia, tomando conta da vida de todos. E este é o indicador: quanto mais incêndios acontecem por unidade de tempo, mais a empresa está à deriva: menos organizada, menos produtiva e menos lucrativa. Ela se torna um lugar estressante e danoso.

Os incêndios trazem consigo a perda do senso de oportunidade. Eles cegam as pessoas para as possibilidades.

Um gerente eficaz lidera sua equipe do presente para o futuro. Para ele, um incêndio só é relevante quando está no caminho de um objetivo. Dependendo da natureza, ele nem precisa apagar o fogo. Simplesmente se desvia porque tem um alvo mais importante a atingir no futuro – isto é que lhe interessa.

Dirijo-me a você, agora. Quer eficiência? Deseja eficácia? Não deixe os incêndios ditarem o ritmo do seu trabalho. Estabeleça objetivos claros junto de sua equipe. Depois, siga esses objetivos. Dedique-se a influenciar o time a se envolver ao máximo com estas metas.

Viver e trabalhar  sem incêndios  é quase impossível, todos sabem.  Mas entenda, e não esqueça, que seu antídoto é planejamento e persistência em chegar aos objetivos.